.

morcegos.jpg (12022 bytes)

Classe Mammalia

A classe Mammalia, que engloba os mamíferos, caracteriza-se por animais vertebrados, possuidores de corpo de pêlos e que nutrem seus filhotes no início de seu desenvolvimento por leite secretado pelas glândulas mamárias das fêmeas. Estes são subdivididos em 19 ordens, entre as quais, encontramos a dos Chiroptera, onde estão agrupados os morcegos.

 

Ordem Chiroptera

 O nome Chiroptera origina-se de Chiro = mão e Ptero = asas, isto é, animais com a mão transformada em asa.

É a segunda ordem em número de espécies, com cerca de 987 formas já conhecidas, cujo número só é superada pela Ordem Rodentia, onde incluem os ratos, esquilos, cutias, etc.
São os únicos mamíferos com capacidade real de vôo, propiciada pela membrana que une 4 dos 5 dedos do membro anterior, formando a asa. Outras espécies, como o esquilo - voador, apenas planam, após saltarem de lugares altos. Os morcegos ocorrem em todos os continentes, só não sendo encontrados nos pólos. São em geral pequenos, na grande maioria não excedendo 100 gramas de peso. Apresentam hábitos crepusculares e noturnos e parte significativa das espécies orientam-se pela ecolocalização, emitindo sons de alta freqüência, inaudíveis ao homem.

Problemas com morcegos

  • Entrada eventual de morcegos em residências
  • Refúgio em forro
  • Refúgio em outros locais da casa
  • Ataque de hematófagos
  • Acidentes

Em nenhum desses casos, tente tocar/pegar o animal. Se for mordido procure um posto de saúde o mais rápido possível. Se achar necessário procure algum órgão responsável na sua cidade.

Principais Espécies

Morcego das casas (Myotis nigricans)

Sociabilidade – Grupos

Atividade – Crepúsculo

Refúgio – Sótãos

Alimentação – Insetos

É a menor espécie de morcego encontrada na cidade. É chamado assim por freqüentemente se refugiar nos telhados das casas, onde podem formar grupos muito grandes. Possui cor parda avermelhada.

Morcego Hematófago

Apenas 3 das 987 espécies se alimentam de sangue. Os morcegos vampiros realizam um corte na pele do animal, com o auxílio dos incisivos e caninos. Com a ferida aberta, a saliva deste morcego é anticoagulante e permite que o sangue flua e o animal se alimente. Até 200 gramas são perdidas, mas o morcego só se alimenta de 15 gramas.

Ao detectar o ataque a animais domésticos, você deve procurar o veterinário o mais rápido possível.

Lembre-se que qualquer mamífero pode transmitir raiva.

Morcego das frutas (Artibeus lituratus)

Sociabilidade – Grupo

Atividade – Noite

Refúgio – Folhas

Alimentação – Frutas

É o morcego mais comum na cidade, onde se alimenta de frutas como o jamelão, amêndoa, manga e outras. Vive em grupos compostos por 1 único macho e várias fêmeas, geralmente em galhos de árvores. Possui coloração parda com 4 listras brancas na cabeça, acima e abaixo dos olhos.

Morcego cauda de rato (Molossus ater)

Sociabilidade – Grupo

Atividade – Crepúsculo

Refúgio – Sótãos

Alimentação – Insetos

É um morcego muito comum. Também freqüentemente se refugia em telhados. Se alimenta de insetos. Possui coloração preta uniforme e é maior que o morcego das casas. Seus locais de repouso são reconhecíveis pelo cheiro forte.

Falso vampiro (Phyllostomus hastatus)

Sociabilidade – Grupos

Atividade – Noite

Refúgio – Troncos

Alimentação - Onívoro

É uma das maiores espécies encontradas. Se alimenta de pequenos animais, porém também aceita frutas e lambe flores como o beija-flor. Possui coloração negra uniforme. Vivem em ocos de árvores em grupos de 1 macho e várias fêmeas.

Morcego pescador (Noctilio leporinus)

 Sociabilidade – Sozinho

Atividade – Noite

Refúgio – Cavernas

Alimentação – Peixes

Vive próximos a lagos. Este é o único morcego que se alimenta de pequenos peixes, que captura com as garras. É um morcego relativamente grande e possui coloração amarela uniforme. Sua urina exala forte odor.

Morcego beija-flor (Glossophaga soricina)

Sociabilidade – Grupos

Atividade – Noite

Refúgio – Folhas

Alimentação – Frutas

É uma espécie de pequeno porte. Possui língua alongada que o auxilia a lamber as flores para obter o néctar de que se alimenta. Tem cor parda uniforme.

Vampiro (Desmodus rotundus)                    

Sociabilidade – Grupos

Atividade – Noite

Refúgio – Troncos, cavernas

Alimentação – Sangue

Existe em áreas onde se cria gado ou aves, sendo muito raro nas cidades. Apresenta cor parda, sendo mais clara na barriga e garganta. Alimenta-se de sangue que lambe após morder a pele do animal. Vivem durante o dia em cavernas ou ocos de árvores em grupos muitas vezes numerosos.

10 MOTIVOS PARA CONSERVAÇÃO DOS MORCEGOS

  1. Morcegos são importantes elo na cadeia alimentar.
  2. As fezes dos morcegos constituem ótimo adubo.
  3. Na saliva do morcego vampiro há uma substância anti-coagulante e poderá ser empregada largamente no tratamento de doenças vasculares.
  4. Morcegos poderão atuar como controladores de pragas na agropecuária.
  5. Morcegos tem sido analisados na utilização do sonar que poderá ajudar o homem.
  6. São grandes controladores de insetos.
  7. São responsáveis pela formação de florestas.
  8. Há morcegos que se alimentam de pequenos animais, como os ratos, controlando-os.
  9. Morcegos ajudam na reprodução de mais de 500 espécies de plantas.
  10. Morcegos são utilizados em pesquisas, inclusive de medicamentos, que poderão ajudar o homem.

TIPOS DE MORCEGOS MAIS COMUNS NAS CONSTRUÇÕES HUMANAS

GÊNEROS

LOCAIS MAIS ENCONTRADOS

ALIMENTAÇÃO

Phyllostomus

Sótãos, ocos, folhagens

Onívoro

Glossophaga

Casas, bueiros, folhagens

Néctar e pólen

Carollia

Casas, túneis, minas

Frutas

Artibeus

árvores próxima à residências, casas

Frutas

Lasiurus

Casas, árvores

Insetos

Eptesicus

Ocos, casas

Insetos

Mollossops

Casas, telhados, ocos, forros, vão de dilatação

Insetos

Mollossus

Casas, telhados, ocos, forros, vão de dilatação

Insetos

Eumops

Cumeeiras, sótãos, forros

Insetos

LOCAIS MAIS PREFERIDOS PELOS MORCEGOS URBANOS E PERI-URBANOS

  1. Casas – forros (caibros, linhas, paredes), sótãos e porões, frestas na paredes e marquises.
  2. Armazéns fechados.
  3. Garagens.
  4. Igrejas.
  5. Túneis e bueiros.
  6. Silos.
  7. Pontes.
  8. Poços de água (cacimba e cisternas).
  9. Árvores próximas (folhagens, ocos e galhos).
  10. Outros locais escuros da casa (móveis, cortinas, plantas, etc.).

artibeuslituratuspeq.jpg (8274 bytes)
Artibeus lituratus

chrotopterusaurituspeq.jpg (11350 bytes)
Chrotopterus auritus

artibeusmao2peq.jpg (12242 bytes)
Artibeus

artibeusmao3peq.jpg (8604 bytes)
Artibeus

animalmaopeq.jpg (8826 bytes)

refugiopontepeq.jpg (10843 bytes)
Refúgio sob ponte

refugiocasapeq.jpg (9959 bytes)
Refúgio em contrução abandonada

morcegoredepeq.jpg (7273 bytes)
Animal capturado em rede
de Neblina

morcegorede2peq.jpg (8433 bytes)
Animal capturado em
rede
de Neblina

molossus.jpg (7319 bytes)
Mollosus molossus

As Informações desta página foram descritas pelo biólogo Rodrigo N. Carneiro, Ex-integrante do Projeto Morcegos Urbanos / Fundação RioZoo. - bat@fst.com.br

Projeto Morcegos Urbanos - Fundação RioZoo morcego@pcrj.rj.gov.br

morcegos.gif (41055 bytes)  

 

Volta para página anterior

Volta para Biomundo